in

Principais critérios para avaliar um software jurídico

Você sabe dizer qual o melhor software jurídico do mercado atualmente? As opções são muitas e, por causa disso, pode ficar difícil escolher a alternativa mais indicada para você.

Diante dessa realidade, é importante saber como avaliar os programas para advogados de modo a contratar aquele que facilitará a sua vida e a rotina de trabalho do seu escritório.

Mas quais são os critérios mais importantes para essa avaliação? É o que veremos a seguir. Leia o artigo até o final para descobrir!

Recursos técnicos do software jurídico

Um dos principais critérios de avaliação de softwares jurídicos é a lista de recursos que o programa proporciona para o advogado ou o escritório que o contrata.

Todo aplicativo para advogados deve contar com uma série de funções de modo a facilitar a jornada de trabalho desse profissional e garantir maior produtividade e resultados.

No entanto, é necessário que essas funções sejam úteis e indicadas para a especialidade daquele profissional, ou não faz sentido contratar os serviços do software.

Dentre as melhores funções para se ter em um aplicativo para advogados, estão as seguintes:

  • Inteligência Artificial para sugerir ações ou autocompletar documentos;
  • Captura automática de processos pelo número da OAB;
  • Servidores em nuvem para armazenar dados e documentos;
  • Gestão de processos judiciais;
  • Gestão de clientes.

Avaliações recebidas pelo programa

Você já ouviu falar que o Marketing boca a boca é o melhor tipo de Marketing possível? Isso é verdade por uma razão muito simples: nós confiamos muito mais em quem relata uma experiência de compra do que em quem faz uma propaganda.

Por isso, vale a pena ler a seção de avaliações de clientes de cada programa jurídico para entender o que os consumidores disseram sobre aquele aplicativo.

Dessa forma, você terá uma série de opiniões confiáveis sobre as quais baseará a sua decisão de compra. Claro que o ideal não é comprar o software apenas com base na opinião dos outros, mas a avaliação de quem já testou é um fator de impacto que não deve ser ignorado.

Segurança fornecida pelo software

Uma das características dos aplicativos para advogados é que eles executam várias funções ao mesmo tempo.

Por exemplo, enquanto fazem a gestão de processos judiciais, os aplicativos também armazenam documentos digitais em nuvem, de maneira que o advogado possa acessá-los de qualquer lugar e sem gastar espaço no seu escritório.

No entanto, o armazenamento em nuvem precisa vir acompanhado de um sistema de segurança de ponta, de modo a evitar que os documentos fiquem acessíveis para qualquer pessoa.

Afinal, os escritórios de advocacia lidam com dados extremamente sensíveis dos seus clientes e precisam armazenar documentos confidenciais para as pessoas.

É por isso que a segurança oferecida por um aplicativo jurídico deve ser a melhor possível, com sistemas de criptografia e bloqueio de acesso a terceiros.

Inovação criada pelo aplicativo

Normalmente, existe uma maneira já estabelecida de se fazer alguma coisa.

Pensando na tarefa de captura de informações sobre os processos judiciais de advogados, o padrão é enviar um estagiário para acessar o sistema e verificar se houve alguma novidade nos casos geridos por determinado profissional.

No entanto, não é porque há uma maneira já estabelecida de se fazer algo, que devemos nos dar por satisfeitos. Os melhores avanços são aqueles que buscam inovar na realização das tarefas para garantir melhor produtividade e resultados.

No caso do nosso exemplo, a inovação acontece com os softwares jurídicos que usam robôs para capturar automaticamente as novidades nos processos do advogado.

O nível de inovação de um software é importante, pois mostra se a equipe que o desenvolveu está sempre buscando novas maneiras de fazer os trabalhos ou se está acomodada com as técnicas habituais.

Frequência das atualizações

Nem todo software sai de fábrica perfeito. Na verdade, nenhum programa é lançado sem a necessidade de melhorias.

Desde bugs até a instalação de novas funções e recursos, sempre há uma coisa ou outra a fazer para melhorar aquele programa.

Por essa razão, as empresas lançam atualizações frequentes para que seus softwares estejam cada vez mais seguros, eficazes e produtivos.

Se uma empresa não lançar atualizações para o seu programa, pode ser que não esteja investindo mais nele, e isso é sinal de que o profissional que usar o software não obterá apoio, caso precise esclarecer dúvidas.

Integração com outros sistemas

Por melhores que sejam os recursos de um software jurídico, ele nunca será usado sozinho por um advogado.

Um profissional jurídico usa uma série de outras ferramentas em seu trabalho, como o pacote Office, por exemplo.

No entanto, se não houver integração entre os diferentes programas, a vida de um advogado fica mais difícil.

A possibilidade de integração de funções entre os programas é essencial para avaliar se um software jurídico é bom ou não.

Suporte e atendimento pós-venda

Todo software, seja jurídico ou não, é composto por dois lados: a interface do usuário e a programação por trás.

Nem todo mundo é especializado nos mecanismos internos dos programas e nem precisam ser. É para isso que existe a interface do usuário.

No entanto, às vezes acontecem problemas que o usuário não consegue resolver sozinho, como bugs ou falhas de integração. Nessas horas, é importante ter um canal de comunicação direto com a desenvolvedora do programa para tirar dúvidas e receber suporte técnico.

Antes de contratar um software jurídico, analise quais os canais de comunicação com a sua desenvolvedora e veja se ela oferece apoio técnico no pós-venda. Isso poderá poupar tempo e trabalho no futuro.

Possibilidade de testar os recursos

Por mais critérios que existam, nada é melhor para avaliar um software jurídico do que poder testá-lo por alguns dias.

A possibilidade de ver na prática como funcionam os seus recursos, qual o nível de integração com outros programas e quais facilidades o aplicativo traz para o escritório é essencial para avaliar se ele é ou não o mais indicado para um profissional.

Por isso, analise se as opções de software jurídico que você cogita usar em seu escritório oferecem testes grátis. Se sim, use os programas por um tempo para ver como ele se adapta a sua rotina de trabalho.

Esses são os principais critérios que ajudam a avaliar qual o melhor software jurídico. Se aplicar esses filtros nas opções disponíveis no mercado, encontrará aquele que é mais indicado para o seu escritório.

O que achou deste artigo? Acredita que existem outros critérios a serem avaliados? Deixe um comentário com a sua opinião a seguir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

aposentadoria especial

Aposentadoria especial: Guia completo

Conheça os principais mitos sobre a previdência privada